Todos os dias te darei graças.

"Todos os dias te darei graças e sempre te louvarei." (Sl 145.2)

A Igreja de Cristo deve guardar a algum dia semanal de descanso religioso? Caso positivo, deve ser o sábado ou o domingo?
Não tenho nenhuma pretensão de que este breve artigo posso esgotar esta questão teológica, mas, vejamos os pontos a seguir:

1) Certa vez, estudando a lição da escola bíblica dominical (Lição nº 11 do 4º Trimestre de 2011, ponto 3 do tópico III - CPAD)*, com o título “O dia de adoração e serviço a Deus”, fui surpreendido com colocação do comentarista: “Então, porque guardamos o domingo?”. Fiquei admirado, pois, eu mesmo nem sabia que “guardava o domingo” (sendo assembleiano desde minha conversão, 1993, nunca recebi tal ensino)! E mais surpreso ainda, pelo comentário de nº 3, da nota de rodapé da minha Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), página 1410, referente a passagem de Mateus 12.1, dizendo: “…o dia de adoração (o domingo) é um sinal de que este [o povo de Deus] pertence a Cristo.” Ou seja, se eu não guardar o domingo, não pertenceria a Cristo?! Ora, pensava que o sinal de pertencimento a Cristo fosse o fato D’ele ter nos comprado com seu precioso sangue (I Pe 1.18,19; Ap 5.9), de sermos selados com o Espírito Santo da promessa (Ef 1.13,14) e de sermos sustentados pelo seu grande amor (Rm 8.37-39);

2) Realmente o Novo Testamento até registra importantes eventos ocorridos no primeiro dia da semana:

a) Ressurreição do Senhor Jesus: Marcos 16:9 / Mateus 28:1 / Marcos 16:2 / Lucas 24:1 / João 20:1;
b) Aparição de Jesus pós-ressurreição: João 20:19;
c) A reunião da Igreja para partir pão (Atos 20:7) e ofertar aos necessitados (1 Coríntios 16:2);
d) O arrebatamento de João (Ap 1.10).

Porém, se é para levarmos em conta somente a "frequência" de determinado evento como critério de se estabelecer uma doutrina, vamos entrar em contradição, pois, há muito mais ocorrência ministeriais de Jesus e da igreja primitiva aos sábados que aos domingos (Mateus 12:1-15; Mateus 24:20; Mateus 28:1; Marcos 2:28; Marcos 1:21; Marcos 2:23,24,27; Marcos 3:2,4; Marcos 6:2; Marcos 15:42; Marcos 16:1; Lucas 23:54; Lucas 4:16, 31; João 5:16; Lucas 6:1,5, 6; Lucas 14:1; Lucas 23:56;  Lucas 13:10, 14-16; Lucas 14:3,5;  Lucas 6:2,7,9; João 9:16; João 5:9, 10, 18; João 7:22;  João 7:23; João 9:14; João 19:31; Atos 13:14,44,42; Atos 16:13). 

Não temos um padrão de guarda do dia x ou y. Jesus celebrou a Ceia pascal numa 5ª feira (Mt 26.26), por exemplo.

3) Porém, não há no novo testamento nenhuma ordenança, nem de Jesus ou por parte dos apóstolos, quanto a guarda um dia da semana, seja sábado ou domingo. É tanto que, ao término do concílio de Jerusalém, isso nem foi levado em consideração: “Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.” (Atos 15:28-29).

Paulo diz: “Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor. Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos.” (Romanos 14:5-9). E ainda: Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco. (Gálatas 4:10-11)

4) Nós, cristãos, não temos a obrigação cerimonial e legal, como os israelitas, da guarda do sábado (Dt 5.14,15). O fim da Lei é Cristo (Rm 10.4). Ele é o nosso repouso (Hb 4.5). De igual forma, guardar religiosamente qualquer outro dia, mesmo sendo o domingo, é voltar aos “pobres rudimentos da Lei” (Gl 4.9-11); é fraqueza de fé (Rm 14.5); é ir atrás do credor pedindo para se endividar novamente (Cl 2.14-17);

5) Assim como houve uma grande distorção quanto ao propósito da guarda do sábado para os judeus, até que ponto essa proposta de guarda do domingo não seria mais uma pedra de tropeço legalista, que mais nos afastará de Deus e do exercício do amor ao próximo, conforme a repreensão dos ensinos de nosso mestre Jesus em Mateus 12.1-15?;

6) Preocupo-me também com as origens dessa insinuação da “guarda de um dia”, assim como é praticado pelo catolicismo romano: “Assim nos ensina o Catecismo da Igreja católica: §2177 A celebração dominical do Dia e da Eucaristia do Senhor está no coração da vida da Igreja. "O domingo, dia em que por tradição apostólica se celebra o Mistério Pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como dia de festa de preceito por excelência.""Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus, de sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e, por fim, de Todos os Santos."(http://vocacionadosdedeusemaria.blogspot.com/2009/01/guardar-domingos-e-dias-de-festa.html - acessado em 08/12/11);

Ou seja, primeiramente doutrina-se a necessidade da guarda de um dia "sagrado" para Senhor e, a partir daí, se introduz outros dias com a mesma desculpa de devoção, porém, não passa de uma estratégia sorrateira para se adotar a idolatria através do sincretismo religioso;

7) A verdadeira adoração a Deus não é limitada ao lugar (Jo 4.21-24) ou ao dia (Sl 145.2). Na verdade, independente no dia, “hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações” (Hebreus 4:7).

Amados, tomemos cuidado com propostas “as quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.” (Colossenses 2:23). “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura.” (Gálatas 6:14-15).

Em Cristo,

Pr. Ronaldo Lucena.

*http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2011/2011-04-11.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hipocrisia babilônica

A "infalibilidade" da ciência moderna.

A Piedade Cristã